Quem sou eu

Minha foto

Me chamo Rogério Rocha. Sou maranhense da cidade de São Luís, mas na verdade me sinto um cidadão do mundo. Sou pós-graduado em Direito Constitucional (Universidade Anhanguera-Uniderp-LFG), pós-graduado em Ética (IESMA), Graduado em Filosofia e Direito (UFMA), mestrando em Criminologia na Universidade Fernando Pessoa (Porto/Portugal). Atualmente sou Servidor do Poder Judiciário do meu estado. Exerci a advocacia durante 6 anos de minha vida,atuando nas áreas de Direito Civil (Família), Direito do Trabalho e do Consumidor. Fui professor do CEFET- MA (atual IFMA) por 2 anos, período em que lecionei tanto para o ensino médio quanto para os alunos de áreas técnicas as disciplinas de Sociologia, Filosofia e Metodologia do Trabalho Científico. Escrevo poesias desde os 12 anos de idade. Homem livre e de bons costumes, amante da música, da arte, da história e de viagens. Obs.: Postgraduate in Constitutional Law (University Anhanguera-Uniderp-LFG), Postgraduate in Ethics (IESM), graduated in Philosophy and Law (College); Public Server at Judiciary Power, Teacher, Poet.

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Black Sabbath - "Cross of Thorns" Live '94

VOCÊ JÁ OUVIU FALAR EM APÁTRIDAS?

Apátrida é o indivíduo que não é considerado nacional de nenhum Estado, ou seja, não possui legalmente uma nacionalidade, uma pátria.

E O QUE ISSO SIGNIFICA DE FATO?

Nacionalidade é o elo legal entre um Estado e um indivíduo. Quando a nacionalidade é negada a alguém, também são negados seus direitos básicos. A apatridia significa uma vida sem acesso à educação, cuidados médicos, direito ao voto ou emprego legalizado. Significa uma vida sem que se possa circular livremente, sem perspectivas ou esperança.
De acordo com o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR), a apatridia é desumana, já que possuir uma nacionalidade é essencial para a completa participação na sociedade e é um pré-requisito para usufruir todos os aspectos dos direitos humanos.

POR QUE ALGUNS INDIVÍDUOS NÃO POSSUEM NACIONALIDADE?
A apatridia é causada, principalmente, pela discriminação. Na maioria dos casos, por questões étnicas ou religiosas, ou ainda porque em alguns países a mulher não pode passar sua nacionalidade aos filhos.
Assim, ela ocorre por razões como discriminação contra minorias na legislação nacional, falha em incluir todos os residentes do país no corpo de cidadãos quando o Estado se torna independente (sucessão de Estados) e conflitos de leis entre Estados.
A apatridia é um problema de grandes proporções que afeta aproximadamente 10 milhões de pessoas ao redor do mundo. Isso causa um impacto enorme nas vidas dos indivíduos. Dada a seriedade do problema, em 1954 a ONU adotou a Convenção Sobre o Estatuto dos Apátridas.
Apesar dos apátridas também poderem ser refugiados, as duas categorias são distintas e ambos os grupos são de interesse do ACNUR (leia aqui o post do Politize! sobre refugiados).
A questão do fim da apatridia pode ser resolvida por meio da legislação de nacionalidade adequada de cada país e procedimentos como o registro de nascimento universal. O ACNUR recebeu a missão de trabalhar com governos para prevenir e solucionar os casos de apatridia e para proteger os direitos dos apátridas. Como primeiro passo para resolver a questão, os Estados deveriam ratificar e implementar a Convenção para Redução dos Casos de Apatridia de 1961.

QUAL TEM SIDO A POSIÇÃO DO BRASIL DIANTE DESSE PROBLEMA?

A Convenção sobre o Estatuto dos Apátridas foi promulgada no Brasil em 2002. Em 2014, o Ministério da Justiça apresentou o projeto de lei que cria o processo de determinação da condição de apátrida no Brasil, estabelecendo direitos e obrigações para estas pessoas.
De acordo com o texto apresentado pela Secretaria Nacional de Justiça, o Brasil reconhecerá como apátrida qualquer pessoa que “não seja considerada como nacional ou cidadão por nenhum Estado”, como também quem não puder comprovar sua nacionalidade “por circunstâncias alheias à sua vontade”.
Uma vez determinada a situação de apatridia, o apátrida reconhecido pelo Brasil poderá adquirir a nacionalidade brasileira, extensível aos seus dependentes e integrantes do seu núcleo familiar. O projeto de lei determina que o Comitê Nacional para Refugiados (CONARE) será o órgão competente para processar o reconhecimento da condição de apatridia, sendo renomeado como Comitê Nacional para Apátridas e Refugiados.
O texto está incorporado no projeto de lei 2516/2015 que institui a nova Lei de Migração no Brasil e substituirá o estatuto do estrangeiro.
O ACNUR está com uma campanha internacional de mobilização, chamada #Ibelong que visa a reunir assinaturas para por fim à apatridia.
Se interessou pela causa? Assine a Carta Aberta pelo Fim da Apatridia e se tornar parte desse movimento global:
Fontes

Por Renata Cabrera de Morais
Formada em Relações Internacionais pela Universidade de São Paulo (USP)

FATOS DO DIA

Resultado de imagem para Os Quatro Cavaleiros do Apocalipse (1921)
1921 - Estreou o filme Os quatro cavaleiros do apocalipse, com Rodolfo Valentino, ator que foi símbolo sexual do cinema.
Imagem relacionada
1941 - Foi criado o Correio Aéreo Nacional (CAN).
Resultado de imagem para john glenn
1962 - John Glenn tornou-se o primeiro astronauta norte-americano a entrar em órbita na Terra. Ele deu três voltas ao redor do planeta, em uma viagem que durou pouco mais de 4 horas. Em 1998, ele se tornou o homem mais velho no espaço ao participar de uma missão do ônibus espacial STS-95.
Resultado de imagem para liza minnelli hotel nacional 1974
Imagem: O Estadão
1974 - A cantora e atriz Liza Minelli chegou ao Brasil para fazer três shows na inauguração do Hotel Nacional, no Rio de Janeiro, e recebeu um cachê de 200 mil dólares.
Resultado de imagem para bye bye brasil
1980 - Estreou o filme Bye bye Brasil, de Cacá Diegues, que chegou a ser o terceiro filme brasileiro mais visto nos Estados Unidos.
Resultado de imagem para sandra dee
Imagem: Getty Images
2000 - Morreu em Los Angeles (EUA) a atriz norte-americana Sandra Dee, vítima de uma pneumonia e de problemas renais. Ela tinha 62 anos.
Resultado de imagem para kevin espada
2013 - O boliviano Kevin Espada, de apenas 14 anos, foi morto no estádio Jesús Bermudez, em Oruro, durante o empate em 1 a 1 entre o time local, o San Jose, e o Corinthians na 1ª rodada da fase de grupos da Libertadores da América. Ele foi atingido por um sinalizador naval disparado por um torcedor corintiano, time do qual ele era fã após o título da Libertadores e do Mundial de Clubes no ano anterior.

Fonte: O Guia dos Curiosos

9ª Vara Criminal discute mudanças no depoimento de crianças e adolescentes vítimas de violência


A 9ª Vara Criminal de São Luís continua, nesta sexta-feira (23), o ciclo de estudos e propostas para implementação da Lei nº 13.431/2017, que estabelece o sistema de garantia de direitos da criança e do adolescente vítimas ou testemunhas de violência e altera o ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente).

A nova legislação entrará em vigor a partir de abril de 2018 e traz definições a serem implantadas na qualificação do depoimento especial e na escuta especializada, realizadas por profissionais habilitados e qualificados para essa atividade. Os métodos refletem na qualidade da instrução processual, celeridade e garantia dos direitos de vítimas e testemunhas.

O juiz titular da 9ª Vara Criminal, Reinaldo de Jesus Araújo, e os servidores do Gabinete, Secretaria Judicial e Equipe Interdisciplinar, reuniram-se na manhã da última sexta-feira (16), dando início ao ciclo de estudos, para discutir sobre a nova legislação e seus fundamentos, visando a compreender as mudanças trazidas por esse instrumento legal e esboçar propostas de adaptações e melhorias ao trabalho da 9ª Vara. A unidade judiciária tem competência exclusiva no processamento e julgamento de crimes de maior potencial ofensivo, praticados contra crianças e adolescentes, como os crimes contra a dignidade sexual, por exemplo.

Reinaldo de Jesus Araújo destacou que a discussão sobre os métodos de escuta de crianças e adolescentes, os mecanismos de proteção e a integração das políticas de atendimento precisam ser discutidos e aprimorados. O magistrado ressaltou, ainda, que toda a equipe de servidores demonstra muito entusiasmo nesse novo momento da unidade, animados pelo desejo de melhorar ainda mais a prestação jurisdicional e trabalhar na defesa dos direitos de crianças e adolescentes.

A Lei nº 13.431/2017 também atinge outras unidades judiciárias que atendem crianças e adolescentes como vítimas ou testemunhas em processos judiciais.

Fonte: Núcleo de Comunicação – Fórum Des. Sarney Costa

sábado, 17 de fevereiro de 2018

Decretada intervenção Federal no RJ

O presidente Michel Temer assinou nesta sexta-feira, 16, o decreto de intervenção Federal no estado do Rio de Janeiro, ao lado do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e do governador do estado, Luiz Fernando Pezão. O decreto foi publicado em edição extra do DOU nesta tarde.


O presidente afirmou que a intervenção na segurança pública do estado do Rio de Janeiro é uma “medida extrema”, mas necessária para combater o crime organizado. “Tomo essa medida extrema por que as circunstâncias assim exigem. O governo dará respostas duras, firmes e adotará todas as providências necessárias para enfrentar e derrotar o crime organizado e as quadrilhas. Não podemos aceitar passivamente a morte de inocentes. É intolerável que estejamos enterrando pais e mães de família.
Com a intervenção federal, o comando das forças de segurança pública do estado caberá ao general Walter Souza Braga Netto, atual chefe do Comando Militar do Leste, responsável por coordenar, controlar e executar as atividades administrativas e logísticas do Exército Brasileiro nos estados do Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo.

Após assinar o decreto, Temer disse que vai cessar a intervenção para votar a reforma da Previdência quando houver a avaliação da Câmara e Senado de que há condição para aprovar o texto.

Veja a íntegra do decreto:
DECRETO Nº 9.288, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2018
Decreta intervenção federal no Estado do Rio de Janeiro com o objetivo de pôr termo ao grave comprometimento da ordem pública.
O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, caput, inciso X, da Constituição,
D E C R E TA :
Art. 1º Fica decretada intervenção federal no Estado do Rio de Janeiro até 31 de dezembro de 2018.
§ 1º A intervenção de que trata o caput se limita à área de segurança pública, conforme o disposto no Capítulo III do Título V da Constituição e no Título V da Constituição do Estado do Rio de Janeiro.
§ 2º O objetivo da intervenção é pôr termo a grave comprometimento da ordem pública no Estado do Rio de Janeiro.
Art. 2º Fica nomeado para o cargo de Interventor o General de Exército Walter Souza Braga Netto.
Parágrafo único. O cargo de Interventor é de natureza m i l i t a r.
Art. 3º As atribuições do Interventor são aquelas previstas no art. 145 da Constituição do Estado do Rio de Janeiro necessárias às ações de segurança pública, previstas no Título V da Constituição do Estado do Rio de Janeiro.
§ 1º O Interventor fica subordinado ao Presidente da República e não está sujeito às normas estaduais que conflitarem com as medidas necessárias à execução da intervenção. § 2º O Interventor poderá requisitar, se necessário, os recursos financeiros, tecnológicos, estruturais e humanos do Estado do Rio de Janeiro afetos ao objeto e necessários à consecução do objetivo da intervenção.
§ 3º O Interventor poderá requisitar a quaisquer órgãos, civis e militares, da administração pública federal, os meios necessários para consecução do objetivo da intervenção.
§ 4º As atribuições previstas no art. 145 da Constituição do Estado do Rio de Janeiro que não tiverem relação direta ou indireta com a segurança pública permanecerão sob a titularidade do Governador do Estado do Rio de Janeiro.
§ 5º O Interventor, no âmbito do Estado do Rio de Janeiro, exercerá o controle operacional de todos os órgãos estaduais de segurança pública previstos no art. 144 da Constituição e no Título V da Constituição do Estado do Rio de Janeiro.
Art. 4º Poderão ser requisitados, durante o período da intervenção, os bens, serviços e servidores afetos às áreas da Secretaria de Estado de Segurança do Estado do Rio de Janeiro, da Secretaria de Administração Penitenciária do Estado do Rio de Janeiro e do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro, para emprego nas ações de segurança pública determinadas pelo Interventor.
Art. 5º Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação. Brasília, 16 de fevereiro de 2018; 197º da Independência e 130º da República.
MICHEL TEMER
Torquato Jardim
Raul Jungmann
Sergio Westphalen Etchegoyen
Carlos Marun
 

Fonte: Migalhas

Sexo consentido aos 14 anos de idade é crime


Um homem foi condenado por estuprar uma menina de 14 anos de idade, sua prima em segundo grau. O juiz Luís Augusto César Fonseca, da 8ª Vara Criminal de Belo Horizonte, desconsiderou o argumento do réu de que ele não sabia a idade da vítima e de que manteve relacionamento amoroso e sexual com ela por três vezes, sempre de forma consensual. O réu tinha 24 anos de idade na época do crime e foi condenado a oito de reclusão, em regime semiaberto.
 
 
Em depoimento extrajudicial, a vítima confirmou que começou a “ficar” com o réu em janeiro de 2013 e, em maio do mesmo ano, passou a praticar sexo sem que ele a tivesse forçado. A menina ainda afirmou que perdeu a virgindade com o acusado e que em todas as ocasiões foram usados preservativos. A vítima relatou que não existiu promessa de namoro, noivado ou casamento, mas gostava do réu.

A mãe da menor também foi ouvida extrajudicialmente e declarou que ela e o pai da menina não sabiam do relacionamento. Ela afirmou que o acusado frequentava sua casa, pois morava nos fundos do imóvel. No dia em que ocorreu o flagrante, os pais suspeitaram que alguém estava no quarto com a menor e localizaram o réu escondido debaixo da cama.

O Ministério Público pediu a condenação argumentando que foram comprovados o rompimento do hímen, a conjunção carnal e a idade da jovem.

Segundo o juiz Luís Augusto César Fonseca, sexo praticado de forma consensual com menor de idade não exime o acusado da responsabilidade penal. “Mostra-se irrelevante que o ato tenha sido consensual ou que tenha ocorrido durante relação de afeto, quando a vítima é menor de quatorze anos”, sentenciou. O magistrado confirmou o estupro de vulnerável e levou em consideração também que o réu era primo da vítima e morava nos fundos da residência dela, tendo, portanto, conhecimento da idade da jovem.

Para preservar a privacidade dos envolvidos não serão fornecidos os nomes nem o número do processo judicial.

Fonte: Âmbito Jurídico

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

IOM chief: There is no migration crisis but a political emergency

EU leaders need to find the courage of unity to manage migration, which has the potential to help the EU economy grow more than expected. But the window of opportunity is closing fast, William Lacy Swing said in an exclusive interview with EURACTIV.
William Lacy Swing is the Director General of the International Organisation for Migration (IOM). He is a diplomat and a former United States ambassador, and a United Nations special representative of the Secretary-General. He spoke to EURACTIV’s Editor-in-chief Daniela Vincenti.
At the upcoming EU summits in February and March, migration will be on top of the leaders’ agenda after failing to reach an agreement in December. What do you think the EU should do to find common ground to solve the emergency, because there is still an emergency, although the numbers are going down?
It is not a migration emergency it’s a political emergency because the numbers are such that if there were a comprehensive European Union plan, the numbers would be manageable.
This is the elusive plan and I give great credit to the European Union and the Commission that are working on it. The leadership is trying to move this forward but there’s such disunity within the Union, among the 28 countries.
In the absence of a plan, they will continue to look at stopgap measures that simply cover the immediate term but don’t project into the future and consequently therefore are unable to build back trust with the people.
The problem is the people in all EU countries have lost confidence in the leadership to manage the question of migration.
So what kind of plan would allow rebuilding trust and confidence?
First of all, there needs to be some agreement on a comprehensive long-term multifaceted policy on migration and asylum that would allow everybody to take the same point of view.
For example, you had 1.5 million migrants who came north in 2015-2016, that is less than 1.5% of Europe’s population, in other words that would have been a manageable number. Secondly, one needs to be more resourceful and creative in the use of migrant policies.
By that I mean that some could qualify for temporary protective status because their country is in turmoil and they can’t go back safely. Some want to reunite with their families, and that should be welcome because people who have their families with them are more stable than those without their families.  Some are victims of trafficking who need support.
Some are economic migrants who may or may not find jobs in the job market. And those who don’t and want to go home, the IOM will take them home for you. We took almost 100,000 of these migrants home last year, 54,000 from Germany alone.
That’s always an option. And they will go back with some money in their pockets so they can start their life again and reduce the possibility that they’ll come back illegally. They are going back with some dignity.
And how do you reduce the chance that they will come back?
Well, bear in mind, the ones that are coming regularly to Europe are not the poorest of the poor. They had enough money to make it to the Mediterranean and to pay smugglers. They probably took all their family’s savings to come in the hope that they’ll find work and can send money home.
The overwhelming majority of migration is taking place in a regular, safe and orderly fashion. Most people are moving without a problem. But you do have 66 million worldwide that are forced to move, about 24 million refugees and at least 22-23 million internally displaced people. The question is how do we deal with them. Surely, we should be able to come up with a policy that is both humane and responsible.
The deal with Turkey or the one that Italy struck with Libya are not really sustainable in the long-term. Or are they?
What everyone thinks about the measures is that they are working, in the sense that the Balkan route is now closed.
There’s been a bit of movement towards the western Mediterranean. The numbers in Spain have gone up, the numbers in the central Mediterranean have gone down and will likely continue to go down a bit. But you still have at least the same number of people dying relative to the numbers who attempt.
So last year was 5000, the year before was 3600, this year is already approaching more 1000, so that’s the tragedy.
What we need is to combine short-term, medium-term and long-term strategies. Our whole effort is related to saving life. That’s our concern. So, in Northern Niger, we’ve taken 8000 people back. We’re replicating that in very modest and modifying forms from Senegal to Cameroon and in other 12 places.
To pick them from the migratory route and, number one, warn them about the risk of smugglers and two to try to identify those who may have a claim to refugee status. Then we turn them over to UNHCR [The United Nations Refugees agency].
You also have a third group of economic migrants who get so far and then say “boy maybe I made a mistake”. To those we offer them the chance to go home voluntarily with some cash to show that they’re not failures.
What do you mean by cash. That will not give them enough not to try again?
It’s a small amount. Anywhere from about €1,000 to as high as €4,000. And now, increasingly, we’re trying also to help them to reintegrate because there’s a lot of hostility towards them when they go back. So we’re also providing some money to the home community.
Isn’t that a form of aid again?
Yes it’s a form of aid, absolutely.
But aid, we know, has not really helped. You need to invest in these countries so that jobs are created, so that people are going to find jobs?
Well, the money we’re giving to help stabilize the community also could help the creation of some jobs but obviously, that’s part of the development program that has to happen.
We’ve got to get much more serious about things like agriculture. You know, Africa should be the breadbasket for much of the world. But today with the way we’re educating people, nobody wants to do agriculture anymore. That’s why we’re trying to work with FAO [Food and Agriculture Organisation] to get youth back into agriculture. But this is going to take a lot of effort. This is going to take a real multi-layered effort by the community.
So the first step is to turn irregular migration into regular migration?
The first effort is to stabilise. The second is to break the cycle of irregular migration and then to…
Are we successful in that?
Well, marginally. We’re missing three things. We’re missing perspective. 1.5 million migrants is not a lot of people for 550 million Europeans. We never say anything in the media about it …the admiration we should have for the six neighbours of Libya and the four neighbours of Syria who kept their borders open at great cost. And a political cost too. You need to have that perspective. And you need to have policy.
Some EU leaders are not going to have that perspective, unless the problem is in their backyard. So how do you change the mindset?
It takes political courage. It takes political leadership. Leadership is all about doing the right thing and that’s exactly what Chancellor Merkel did. She did the right thing when she said refugees are welcome. I think she must have assumed that quite a number of the 27 would help out. It didn’t happen. Sweden helped out as long as they could, Austria for a very brief moment. Italy and Greece have their own problems. So, it would take much more unity within the EU than we have right now.
But quotas don’t work?
No. 160,000 for the relocation. What have we done up to now? 60,000 – 50,000 maybe? They didn’t fulfil their quotas, so even that small number, it didn’t work. And so you have a big division within Europe, between those who want to manage the problem and those who want to avoid it by building walls and gates, you can’t do that. So that’s policy. And you need to have a plan and implement it.
What plan? You obviously have an idea about this plan.
Well, you have to have a programme with public education and public information. You have to tell people about the demographic deficit.
You have to help these people understand why these people are coming, and what your programme is when they come.
Integration has been a big failure, throughout the world, including the U.S., including Europe. Most of the terrorist attacks in the big cities of Europe and the U.S were homegrown. Failed integration.
Immigration was a huge success for the U.S for many decades, and it has created the so-called melting pot. How come it doesn’t work anymore?
It does work. Overall, it is still working. Don’t forget that IOM with our partner UNHCR, we have taken 3.4 million refugees since 1980.
There’s not one public record of them ever committing anything approaching a terrorist act. And these are very good people. They actually sign a promissory note when they go. More than 90% of these refugees pay it back.
So, it’s a great thing for these taxpayers, it’s not a loss for us. It’s a gain for us. The sooner they get a job, the sooner they pay taxes. The sooner they become a citizen, the sooner they can vote. So, the political party should be courting these refugees. The McKinsey Global Institute, one of our partners, have come out with a major study on migration. 3.4% of the world’s population, international migrants, are producing 9% of global GDP. And that’s 4% more than if they stayed at home. So, they add to productivity, they bring you ideas, they’re motivated, they have to send money home.
They could go back home and bring progress to their country too…
Well, they could. There’s no problem. You can be fully integrated in a place like the U.S for example and still be a very active member of the diaspora, sending money home, going back during vacation, helping out a hospital or school, taking trade missions back.
The diaspora is the most neglected part of the whole migration policy. We have a program called RQN, Return of Qualified Nationals, we’ve taken almost 200 Somalis back to Somalia to help develop capacity in the government, private sector, and elsewhere, and it does work.
But you have to have a policy and you have to implement it. And then you have to give evidence to your people and show that the policy brings results.
But you said it needs political courage, it boils down to that. Europe at the moment fails at procuring the courage?
The thing is, we’ve got a long way to come back now, because it’s very hard for a politician to embrace migration too aggressively or vociferously, because it loses elections and it determines coalitions.
So, you have to start the process to make people understand, why it is in the people’s interest to welcome migrants. That’s what Canada’s doing now. They brought in 45,000. They prepared the terrain, they sent their Minister of Migration throughout the country to talk to all the governors, many of the mayors of the major cities to say, here’s your responsibility: shelter, language training, a job, security and to all of the community this is why it’s in your interest to receive these people.
And now, they have families who are very upset because their particular Syrian family hadn’t arrived yet. But I cannot compare Canada to Europe. It’s very different. They’ve got one border, the U.S.
There is a psychological element also, and I’m very sympathetic here. I’m simply trying to reason with them about ways to do it differently and something that would ultimately work politically very well.
Europe has peopled the world for three centuries. Europe has always been a continent of origin. Today, for the last three decades, it’s become a continental destination. Our people aren’t going out, but people are coming to us. They don’t look like us, they don’t speak as we do, they practice a different religion. Rather than saying, how can we manage diversity, we should begin to embrace it, because it’s good for us.
See the problem is the window of opportunity is very small. Because in 2019, Europe is holding the European elections, and there is a risk that the Eurosceptics are going to win big numbers in the European Parliament.
And unless leaders come right now, with some kind of solution, we’re facing a greater danger: a migration time bomb. Because it is a time bomb if you look at Africa and economic migration, rather than refugees. That’s the urgency of having a deal in the next six months.
Right now you have a window of opportunity because the story that appeared on TV about the slave trade has brought everybody together. Right now, the European Union and Africa are working very closely together to solve this slave problem.
They’re working with IOM primarily, but also with UNHCR and we’ve taken 20,000 of the detainees home. We’ll take the other 10,000 home before the end of February and we’ll continue to empty their defenses and try to close them all together to turn detention centers into open reception centers.
Do you think the UN process could push the EU to get its own plan, or is it wishful thinking?
I think the Global Compact on migration is one of the good things to come out of this. We probably wouldn’t have a global compact, if we didn’t have the European Union. We’d be in a crisis. There’s no question that it will be a much more level playing field once we get that signed in December.
*Originally published at: https://www.euractiv.com/section/development-policy/interview/mon-iom-chief-there-is-no-migration-crisis-but-a-political-emergency/

AS LEIS DE MURPHY EXPLICADAS À LUZ DA CIÊNCIA


“Se algo pode correr mal, vai correr (mesmo) mal”. Esta é a principal Lei de Murphy, sob a qual se albergam vários acontecimentos comuns do nosso dia, os tais que nos correm sempre mal. Edward A. Murphy, engenheiro aeroespacial norte-americano, disse-a no final de um teste que estava a comandar, sobre a tolerância dos seres humanos à gravidade. O teste falhou exatamente quando ele o iniciou, mas a culpa foi dele próprio: instalou mal os sensores.
Mas o azar está mesmo programado para nos atormentar? É uma questão psicológica ou matemática? Esqueça a ideia de que é um azarado. A verdade é que na maioria dos casos há mesmo uma explicação científica.
Se algo pode correr mal, vai correr mal
É uma questão de probabilidades: quanto mais tempo se trabalhar numa determinada tarefa, maior a probabilidade de sermos confrontados com contratempos. No site Ask a Mathematician, o cientista responde que “nada dura para sempre, por isso há de haver uma altura em que todas as peças de uma máquina deixarão de funcionar”: é o que diz a lógica.
A tosta vai sempre cair com o lado da manteiga no chão
Scientific American explica por que somos atormentados com este azar. Tudo depende da altura da mesa, que determina quantas vezes é que a tosta pode dar a volta antes de chegar ao chão. Como as mesas são baixas, a tosta não tem tempo de dar uma volta completa. Por isso, como a parte barrada estava virada para cima, ela só dá meia volta e cai exatamente com a manteiga a espalhar-se pelo chão.
A informação mais importante do mapa está sempre nas pontas
Eis que o telemóvel fica sem bateria e não há outra hipótese senão pegar no mapa de papel mais próximo. E mesmo assim o azar não desgruda e parece que a informação de que precisamos está exatamente na ponta do mapa, ilegível. Matematicamente falando, não é apenas pessimismo: é muito provável que assim seja.
Ao abrir o livro “Why Do Buses Come in Threes” de Rob Eastaway entendemos porquê. Imaginemos um mapa com 20 centímetros de comprimento e 10 de altura. Se a borda tiver um centímetro de largura, ela preenche logo 28% da área total. Dois centímetros chegam para cobrir quase metade. Agora imagine a quantidade de coisas que podíamos saber, mas estão escondidas atrás destas molduras.
Entram duas meias na máquina. Uma desaparece para todo o sempre
De volta à Scientific American, encontramos a explicação para esta questão. Vamos regressar às aulas de matemática sobre probabilidades. Se perdermos apenas uma meia, a outra ficará sem par. Ora, a que sobreviveu ao terror das máquinas de lavar não vai ser calçada, por isso só voltam a entrar nas máquinas pares de meias. Desses pares, uma das meias vai perder-se e entra-se num círculo vicioso dando-nos a sensação que há sempre alguma a desaparecer.
A outra fila é sempre mais rápida
Há dois motivos para a outra fila ser sempre a mais rápida. A primeira: a fila mais lenta é por norma a que tem mais gente e, sendo assim, há maior probabilidade de estarmos precisamente nessa. Depois, o segundo motivo: se existirem quatro filas e formos obrigados a escolher uma, há 75% de probabilidades de que haja pelo menos uma que seja mais rápida que a nossa.
Levamos chapéu de chuva, mas nunca chove. Deixamo-lo em casa e há uma tempestade
Não há realmente uma relação entre os dois eventos, isto é, não é o facto de termos ou não um chapéu que vai determinar os fenómenos meteorológicos.
Robert Mathews explicou estes acontecimentos em 1997.
Segundo ele, se o clima na nossa região é de baixa precipitação, portanto mesmo que os meteorologistas digam que existe possibilidade de chover é pouco provável que aconteça. Outra razão: o dia tem 24 horas e nunca há certeza da altura em que vai chover, por isso a probabilidade de chover enquanto estamos na rua é tão mais pequeno, quanto menos tempo passarmos fora de casa.
Mesmo que prove uma mentira, vai sempre haver quem acredite nela
Saímos do campo da matemática para entrar na área da psicologia. Desta vez, a Psychology Today explica que os rumores estão sempre relacionados com emoções e ansiedades. É que há mentiras tão apetecíveis, capazes de tornar a realidade tão mais interessante, que tendemos a alimentar a crença de que são verdade.
Este fenómeno também depende da quantidade de vezes que a mentira nos chega aos ouvidos: quanto mais vezes nos deparamos com ela, mais verosímil nos vai parecer. Sendo assim, a tendência é a que nós próprios também a espalhemos e eternizemos.
As coisas perdidas estão sempre no último lugar onde as procurámos
Todos temos essa sensação, mas olhe para a afirmação que a exprime. Se pensar bem é uma coisa muito óbvia: ninguém vai continuar a procurar as coisas se elas já foram encontradas! Por isso, estão sempre no último lugar onde as procuramos.
*Matéria orignalmente publicada em: http://observador.pt/2015/06/22/as-leis-murphy-explicadas-luz-da-ciencia/

Postagens populares

Total de visualizações de página

Páginas