Quem sou eu

Minha foto

Me chamo Rogério Rocha. Sou maranhense da cidade de São Luís, mas na verdade me sinto um cidadão do mundo. Sou pós-graduado em Direito Constitucional (Universidade Anhanguera-Uniderp-LFG), pós-graduado em Ética (IESMA), Graduado em Filosofia e Direito (UFMA), mestrando em Criminologia na Universidade Fernando Pessoa (Porto/Portugal). Atualmente sou Servidor do Poder Judiciário do meu estado. Exerci a advocacia durante 6 anos de minha vida,atuando nas áreas de Direito Civil (Família), Direito do Trabalho e do Consumidor. Fui professor do CEFET- MA (atual IFMA) por 2 anos, período em que lecionei tanto para o ensino médio quanto para os alunos de áreas técnicas as disciplinas de Sociologia, Filosofia e Metodologia do Trabalho Científico. Escrevo poesias desde os 12 anos de idade. Homem livre e de bons costumes, amante da música, da arte, da história e de viagens. Obs.: Postgraduate in Constitutional Law (University Anhanguera-Uniderp-LFG), Postgraduate in Ethics (IESM), graduated in Philosophy and Law (College); Public Server at Judiciary Power, Teacher, Poet.

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

O que são interesses difusos, coletivos e individuais homogêneos? (Aula - Hugo Nigro Mazzilli)

Aula do Prof. Hugo Nigro Mazzilli sobre o tema 'interesses transindividuais ou interesses metaindividuais', proferida na Escola Superior do Ministério Público de São Paulo. 

Para os operadores e aplicadores do Direito que queiram se aprofundar no entendimento dessa matéria bastante ligada aos fenômenos jurídicos atuais. 

Uma esclarecedora exposição do mestre Hugo Mazzilli. Recomendo. Vale a pena assistir!


segunda-feira, 21 de outubro de 2013

‘É possível criar regras globais para a internet’

Por SÉRGIO MATSUURA

Alan Marcus: debate sobre princípios universais para a rede é prioridade
Foto: Divulgação
Alan Marcus: debate sobre princípios universais para a rede é prioridade Divulgação
O esquema de coleta massiva de dados revelado pelo ex-funcionário da Agência de Segurança Nacional dos EUA Edward Snowden levantou questões sobre o futuro da internet. Alan Marcus defende que é preciso criar novos pactos de confiança. Governos, organizações e empresas devem deixar claro o que será feito com as informações dos internautas. E, principalmente, cumprir o que for acordado. O especialista vem ao país em novembro para participar da Cúpula Mundial de Políticas Públicas em TI, que acontece pela primeira vez no Brasil, com apoio da Associação das Empresas Brasileiras de TI.
Como o senhor avalia o impacto que o escândalo de espionagem provocou na internet?
Eu não encontro uma resposta certa para essa pergunta, mas sei que o futuro do mundo digital vai depender da criação de novos pactos de confiança. Quando eu digo confiança, não quero dizer que o seus dados não serão coletados, mas que governos, empresas e outras organizações vão dizer o que pretendem com esses dados e fazer apenas o que foi dito.
A presidente do Brasil, Dilma Rousseff, fez um discurso duro durante a Assembleia Geral das Nações Unidas. Foi uma posição acertada?
A presidente Dilma Rousseff teve uma reação muito forte quando soube que era alvo de espionagem. Foi uma resposta racional: “como ousa fazer isso comigo? Quero que não aconteça novamente”. A reação inicial é dessa maneira, mas espero que a segunda seja o diálogo entre governos e organizações, para que eles expliquem o que estão fazendo com essas informações.
Após o escândalo, muito se falou sobre a criação de regras globais de governança da internet. Isso é possível?
Sim. Eu acredito ser possível criar regras globais para a internet. Mas temos que ter cuidado para que países, individualmente, não confundam a necessidade de normas globais e boa governança com a necessidade de controle governamental sobre a rede. Essa é a linha tênue com que precisamos nos preocupar. Não acredito que seja o caso do Brasil, mas existem países que podem aproveitar a oportunidade para cercear a liberdade dos cidadãos.
E esse tema está na agenda do Fórum Econômico Mundial?
Certamente está na agenda da nossa comunidade, formada por líderes globais, e a discussão é tratada com prioridade. O caminho tomado até agora é sobre a noção de princípios universais, pois é difícil aplicar leis que atendam às necessidade de todos os países. Os princípios permitem a definição do que pode ou não ser aceito e as legislações são criadas localmente.
Sobre a indústria de TI no Brasil, como o senhor avalia a nossa situação?
O Brasil está fazendo um bom trabalho, incentivando o desenvolvimento de companhias de TI. O país também tem exercido excelente papel na atração de grandes multinacionais, que facilitam o desenvolvimento de talentos, mas a falta de mão de obra especializada é uma lacuna que precisa ser preenchida.
A educação é um problema para o mercado brasileiro?
Não podemos dizer que a educação é ruim, mas podemos dizer que há falhas no desenvolvimento de habilidades necessárias para a indústria de TI, particularmente nas áreas de análise de dados e matemática computacional.
Além da falta de mão de obra especializada, o Brasil possui outros problemas no setor?
Eu não chamo de problemas, mas oportunidades. Um ponto particularmente importante é dos contratos. Nossas pesquisas apontam que o número de procedimentos e a quantidade de dias para fechar um contrato no Brasil são elevados em relação a outros países. Outra questão é o foco nas plataformas móveis. O Brasil está bem servido de computadores, penetração da internet e celular, mas o alto custo de tablets e smartphones ainda atrapalha.

domingo, 20 de outubro de 2013

NOVOS ESTUDOS CONFIRMAM INFLUÊNCIA DO BEIJO, SORRISO E CHORO NO COMPORTAMENTO HUMANO

ciancia-do-cotidiano-beijo-sorriso-choro-rejeição-the-history-channel


Quais verdades científicas estão por trás de fatos aparentemente simples, naturais e inevitáveis das nossas vidas cotidianas? A ciência busca respostas tanto para as perguntas mais intrigantes do Universo como também para os pequenos mistérios do nosso dia a dia, que estão atrás de um beijo, do choro, do sexo, do sorriso falso e da rejeição. Todos estes "pequenos" temas da nossa vida privada foram alvos de investigações científicas nas últimas semanas. Confira abaixo as interessantes conclusões: 

O beijo: De acordo com um grupo de pesquisadores da Universidade de Oxford, o ato de beijar está além de ser algo cultural. Este gesto funciona como uma transmissão de informação, por meio de sinais químicos, sobre a compatibilidade genética, ou seja, seria um processo de seleção reprodutiva. Os mesmos pesquisadores, do Departamento de Psicologia Experimental de Oxford, comprovaram por meio de um estudo extra que a importância do beijo, para as mulheres, aumenta sensivelmente durante a menstruação.   

O sorriso: Uma pesquisa da Universidade de La Laguna analisou a importância do sorriso entre os humanos para saber qual sentimento de confiança este gesto transmite e qual sua capacidade de dissimulação. A conclusão é que o sorriso é a imagem mais impactante do rosto (mais ainda do que o olhar) e que tem uma grande tendência a provocar uma interpretação errada sobre o ânimo de alguém. Ou seja, mesmo que tudo indique que uma pessoa está triste, apenas forçar um sorriso nos convencerá de que ela se sente alegre.   

A rejeição: Como o cérebro reage quando não somos correspondidos amorosamente? Esta foi a pergunta feita por pesquisadores da Universidade de Michigan. Depois de realizar uma pesquisa com 18 voluntários, eles perceberam que o cérebro produz opioides diante da rejeição social e do fracasso emocional. De acordo com o artigo publicado pela revista Molecular Psychiatry, esta descoberta pode servir para desenvolver tratamentos contra a depressão, já que é possível que pessoas com tendências depressivas ou fobias produzam menos opioides, o que faria com que elas se tornem menos capazes de se recuperar de experiências sociais negativas e de desfrutar situações positivas.   

O choro: Chegou-se à conclusão de que o choro de uma mulher produz um feito negativo em sua atração sexual para um homem. Ao menos esta foi a conclusão de um grupo de pesquisadores que fez a seguinte experiência: vários homens cheiraram lágrimas femininas ou líquido salino (placebo) e, em seguida, observaram imagens de mulheres. Os homens que cheiraram as lágrimas verdadeiras demonstraram menos desejo sexual do que àqueles que o fizeram com placebos. Este primeiro experimento foi complementado por uma ressonância magnética que atestou uma queda da atividade cerebral nas regiões ligadas à excitação sexual. De acordo com alguns pesquisadores, este estudo não está ligado à questão de gênero, mas à relação dominante-dominado. Diante das lágrimas, um animal dominado controla a agressão do dominante. Esta seria a função evolutiva das lágrimas, ou seja, uma forma de proteção diante de um individuo mais forte, o que é traduzido, culturalmente, em uma diminuição do desejo sexual diante do choro. 

Fontes: Universidade de Oxford, ABC, Universidade de Michigan e Scientific American   - See more at: http://noticias.seuhistory.com/novos-estudos-confirmam-influencia-do-beijo-sorriso-e-choro-no-comportamento-humano#sthash.MzXxs9rM.dpuf

6 webséries que você vai gostar de conhecer

Por Jessica Soares de Superinteressante

Com grandes dramas fazendo sucesso na telinha, o cinema parece ter migrado para a TV. Mas se engana quem pensa que é apenas no “velho meio” que se encontram bons exemplares de seriados. O conteúdo produzido para a internet tem conquistado espaço ao lado de produções de canais tradicionais. Para você não ficar por fora, listamos 6 webséries que você vai gostar de conhecer:

1. The Walking Dead – Websódios
01_walking-dead
O fãs de Rick Grimes piram. No último domingo, estreou nos Estados Unidos a quarta temporada da série de zumbis mais amada da TV. Mas, antes do retorno aguardado, a AMC (canal que produz o seriado) já havia garantido o burburinho em torno da atração com o lançamento da terceira leva de pequenos episódios produzidos para a internet. Os websódios de The Walking Dead são tradicionalmente lançados no hiato entre temporadas e acompanham eventos de outras partes do universo dos mortos andantes. Os três episódios da “web-temporada” mais recente, intitulada The Oath, foram lançados em 30 de setembro e, como nos anos anteriores, foram dirigidos pelo produtor executivo e responsável pela maquiagem do seriado, Greg Nicotero. Sangue não faltará.

2. Latitudes
04_latitudes
Estreou na internet e só depois na TV. Latitudes, “um filme em oito destinos”, é um projeto transmídia brasileiro que inverte a lógica que dita que o conteúdo principal deve ser reservado para a telinha. Desde o dia 28 de agosto, todas as quartas-feiras, um episódio novo da websérie encabeçada pelos atores Daniel de Oliveira e Alice Braga e pelo diretor Felipe Braga pode ser assistido no canal oficial do projeto no YouTube. Na série, Alice vive Olívia, uma editora de moda que viaja o mundo. É em suas viagens que ela encontra José, fotógrafo vivido por Daniel, que também vive de hotel em hotel. A cada episódio, com cerca de 12 minutos, acompanhamos os encontros e desencontros do casal em diferentes cidades, aeroportos e estações de trem. Já na TV, a série é diferente: nos episódios televisivos, exibidos nas segundas-feiras no canal TNT, a história já exibida online é entrecortada por trechos em que os atores aparecem lendo e ensaiando as cenas, em um formato que tensiona os limites entre o real e a ficção.

3. Web Therapy
05_web therapy
Rever Lisa Kudrow, a eterna Phoebe Buffay, é motivo suficiente para acompanhar esta série criada para a internet. Na websérie, iniciada em 2008, a atriz de Friends vive Fiona Wallice, uma terapeuta que experimenta um novo e ~revolucionário~ método de terapia online de apenas 3 minutos – sua ideia é que sessões tradicionais de 50 minutos dão margem para que pacientes falem de coisas irrelevantes e sua abordagem manteria só o mais importante em foco. Na real, Fiona está longe de ser uma boa ouvinte (ou terapeuta). Depois de 100 websódios com duração de 3 a 15 minutos, que contaram com participações especiais de nomes como Courteney Cox, Rashida Jones e Jane Lynch (e podem ser assistidos aqui), a série foi adaptada para a TV pelo canal Showtime, onde já está em sua terceira temporada.

4. Comedians in cars getting coffee
06_comedians
O nome resume bem: em Comedians in cars getting coffee, websérie disponibilizada online em julho de 2012, Jerry Seinfeld leva seus colegas comediantes para um passeio, um café e um pouco de prosa. O carro é escolhido de acordo com a personalidade do passageiro – um “revolucionário” Lamborghini Miura para Chris Rock, um (pouco seguro) e potente Austin Healey para o ácido britânico Ricky Gervais, e um Jaguar poderoso e estiloso para Sarah Silverman. Se, por um lado, o destaque dado aos possantes não é lá muito divertido para quem não diferencia um Palio de um Golf (ou simplesmente não se importa), o papo costuma ser interessante. Em sua terceira temporada, um dos convidados já foi confirmado: Jerry vai dar um rolé com o fantástico Louis CK.

5 e 6. Originais Netflix: House of Cards e Orange is the New Black
02_house of cards
Calma, não trapaceamos na lista. Mas uma série que só pode ser assistida quando se tem acesso à internet também é uma websérie, né?
Até pouco tempo atrás, o Netflix, serviço de TV por internet, se baseava na distribuição online de seriados e filmes produzidos por terceiros. Criada em 1997, oferecendo então o aluguel de filmes online, a empresa aprimorou seus serviços ao longo dos anos e, em 2011, tomou um passo importante ao lançar sua primeira série original, a comédia Lilyhammer, uma co-produção norueguesa e norte-americana. Apesar de ter durado apenas uma temporada, o seriado abriu as portas para a existência de House of Cards. Lançada online em fevereiro de 2013, a série – estrelada por Kevin Spacey e Robin Wright e produzida por David Fincher (de A Rede Social) –entrou para história ao se tornar a primeira série distribuída pela Internet a ser indicada à categoria de Melhor Drama dos prêmios Emmy. O drama político arrematou ainda outras 8 indicações, incluindo a de melhor ator e atriz para a dupla Spacey-Wright e de direção para David Fincher, levando para casa três prêmios.
03_orange
No ano que vem, a categoria pode ganhar outro representante de peso: em julho de 2013, o serviço online lançou 13 episódios de Orange is the New Black, drama que se passa dentro de um presídio feminino. Inspirada nas memórias da estadunidense Piper Kerman, a série acompanha a personagem que vai parar na cadeia depois ser indiciada por transportar dinheiro ligado ao tráfico de drogas na juventude. Na prisão, somos apresentados às complexas histórias das detentas – vividas por um elenco brilhante que merece um destaque à parte. Vale conferir.
Bônus: Outras duas séries originais do Netflix receberam menções no Emmy 2013: Arrested Development – cujas três primeiras temporadas foram veiculadas entre 2003 e 2006 na Fox, e em 2013 ganhou uma quarta temporada original no serviço online -, e o terror Hemlock Grove.
Publicado originalmente em SUPERINTERESSANTE

O misterioso caso da morte dos 9 montanhistas russos

O texto ora apresentado foi baseado no programa do History Channel "Alienígenas do Passado" e trata do caso das estranhas mortes de um grupo de alpinistas russo, em meados do século XX, e que até hoje não obteve explicações claras sobre o que de fato aconteceu naquela montanha. 


O Passo Dyatlov e a Montanha dos Mortos: a macabra morte de nove montanhistas russos.

O caso ocorreu ao norte dos montes Urais na noite de 2 de fevereiro de 1959, na costa leste da montanha Kholat Syakhl, cujo nome significa “Montanha dos Mortos”. Lendas locais já mencionavam o lugar como maligno. Em 1991, um avião caiu no local, onde também morreram nove pessoas.

O grupo formado para uma expedição ao norte das Urais, liderado por Igor Dyatlov, consistia de oito homens e duas mulheres, a maioria estudantes ou graduados do Instituto Politécnico de Ural (atualmente Universidade Técnica Estadual de Ural), mas uma das mulheres não prosseguiu, por problemas de saúde. Todos os integrantes possuíam experiência em excursões de esqui e expedições em montanhas.

Dez dias depois, quando os aventureiros não chegaram ao seu destino, equipes militares de resgate fizeram buscas na área. Encontraram o acampamento abandonado e uma barraca destruída. Investigadores concluíram que a barraca fora cortada e rasgada a partir de dentro, e que os montanhistas pareciam ter fugido apenas de meias ou descalços. Em 26 de fevereiro, as equipes de busca encontraram o acampamento abandonado. A barraca estava arruinada, e um conjunto de pegadas seguiam até a margem de um bosque próximo, estando cobertas por neve após 500 metros. Na beira da floresta, sob um grande e antigo pinheiro, foram encontrados os restos de uma fogueira, juntamente com os primeiros dois corpos, descalços e usando apenas roupa de baixo.

A busca pelos quatro esquiadores restantes levou mais de dois meses. Eles foram finalmente encontrados debaixo de quatro metros de neve, em uma ravina embrenhada na mata próxima. Um inquérito foi aberto imediatamente após o surgimento dos cinco primeiros corpos. Um exame médico não encontrou ferimentos que pudessem ter provocado as mortes, sendo concluído que todos morreram de hipotermia. Um dos corpos apresentava uma pequena fissura no crânio, inicialmente não considerada um ferimento fatal.

O exame dos corpos restantes mudou completamente o cenário. Três deles apresentavam ferimentos fatais, sendo dois com fraturas cranianas e dois com extensas fraturas torácicas. A força necessária para provocar tais ferimentos teria de ser extremamente alta, com um dos especialistas comparando-a à força de uma colisão automobilística. O mais notável é que os corpos não traziam feridas externas, como se tivessem sido esmagados por um alto nível de pressão. Apenas um dos mortos tinha um ferimento externo considerável: estava sem a língua. A análise das roupas identificou que elas continham um elevado nível de radiação.

Os corpos foram descobertos por soldados soviéticos em vários estados que só podem ser descritos como de mutilação. Estavam queimados, alguns expostos à radiação, um deles teve a língua arrancada, e também estavam prematuramente envelhecidos. A pele deles estava laranja e o cabelo estava branco. Constatou-se que uma força desconhecida atingiu os montanhistas, muito seletiva porque não tocou a neve, as árvores, nem nada ao redor.

A explicação oficial foi de que os nove morreram de hipotermia, mas o investigador chefe se recusou a assinar o relatório e preferiu se retirar do inquérito. Um dos chefes foi afastado rapidamente da investigação por ser muito meticuloso e as autoridades queriam abafar o caso. Os corpos foram enterrados em caixões de zinco para que ninguém os visse.

Inicialmente, especulou-se que o povo indígena Mansi poderia ter atacado e assassinado o grupo por invadir seu território, mas as investigações indicaram que a natureza das mortes não suportaria tal tese; apenas as pegadas dos esquiadores eram visíveis, e eles não apresentavam sinais de combate corpo-a-corpo.

Anos depois, membros do grupo de busca deram seu testemunho: Segundo eles, na noite do incidente estranhas esferas alaranjadas pairavam no céu. Lev Ivanov, chefe da investigação, disse durante entrevista em 1990 que, nos meses de fevereiro e março de 1959, diversas testemunhas, incluindo militares e meteorologistas, haviam relatado a visão de “esferas voadoras brilhantes” na área. Ivanov afirmou, na mesma entrevista, que já na época do incidente imaginara haver algum tipo de relação entre os casos.

Evidências sugerem que o grupo foi obrigado a deixar o acampamento durante a noite, quando já estavam dormindo. Embora a temperatura estivesse muito baixa (por volta de -25° a -30°C), com tempestade e rajadas de vento, os mortos estavam apenas parcialmente vestidos. Alguns deles tinham apenas um sapato, enquanto outros usavam somente meias. Outros foram encontrados enrolados em pedaços de roupas rasgadas, aparentemente arrancadas daqueles que já haviam morrido.

O veredito final foi que todos os integrantes do grupo morreram devido a uma “força incontrolável desconhecida”. O inquérito foi oficialmente encerrado em maio de 1959 devido à “ausência de parte culposa”. Os documentos relativos ao caso foram então arquivados, sendo divulgados ao público somente na década de 1990, ainda assim em fotocópias com diversas partes ausentes.

Retirado do site ahduvido.com.br

Postagens populares

Total de visualizações de página

Páginas